Notícias

Uma equipe internacional de pesquisadores liderada pela Universidade de Yale, Universidade de Iowa, e pelo Translational Genomics Research Institute (TGen), uma afiliada da City of Hope, descobriu um novo caminho que pode melhorar o sucesso contra um tipo incurável de câncer cerebral infantil.

Os resultados do estudo, publicados hoje na Nature Communications, sugerem que os cientistas identificaram uma maneira única de interromper o processo celular que contribui para Gliomas Pontinos Intrínsecos Difusos (DIPG).

O DIPG é um tipo de tumor altamente agressivo e inoperável que cresce no tronco cerebral. Este tipo de câncer geralmente atinge crianças com menos de 10 anos e a maioria dos pacientes não sobrevive mais de um ano após o diagnóstico.

Estudos anteriores identificaram uma mutação genética chamada PPM1D – que é crítica para o crescimento celular e resposta ao estresse celular – como um contribuinte para o DIPG. Esforços anteriores para atacar diretamente a mutação PPM1D, no entanto, mostraram-se fúteis no controle do DIPG.

A equipe liderada pelo TGen-Yale-Iowa descobriu uma vulnerabilidade no processo metabólico para a criação do NAD, um metabólito que é necessário para toda a vida da célula.

“Esta é realmente uma nova maneira incrível de atacar esse tipo de câncer. Descobrimos que o gene mutante PPM1D essencialmente prepara o palco para a sua própria morte.”

Michael Berens, Ph.D., Diretor Adjunto do TGen, chefe da pesquisa DIPG do TGen, e um dos principais autores do estudo

Os pesquisadores descobriram que o PPM1D mutante silencia um gene chamado NAPRT, que é essencial para a produção do metabólito NAD. Com o NAPRT indisponível, a célula muda para outra proteína necessária para criar o NAD chamado NAMPT. Ao usar uma droga que inibe a produção de NAMPT, os pesquisadores descobriram que poderiam essencialmente matar de fome as células cancerígenas com a mutação PPM1D.

“É uma doença tão devastadora e estamos tão frustrados em nosso progresso para novas terapias com o DIPG. Muitas drogas foram testadas sem sucesso algum. Essas descobertas agora oferecem novas esperanças para as crianças com essa doença verdadeiramente terrível”, disse outra fonte. Dr. Ranjit Bindra, MD, Ph.D., Professor Associado de Radiologia Terapêutica no Yale Cancer Center, onde trata crianças com DIPG.

Os pesquisadores há muito pensavam que o DIPG era uma versão infantil dos tumores cerebrais em adultos, e tratamentos semelhantes para os gliomas adultos foram testados extensivamente em crianças e falharam.

A frustração com a falta de uma terapia eficaz para o DIPG levou os pesquisadores a adotar uma abordagem diferente na busca de novos medicamentos para tratar essa doença. Eles escolheram analisar o tumor em termos de suas vulnerabilidades potenciais e, assim, iniciaram uma jornada molecular de um ano para entender qual o papel da mutação do PPM1D na alteração do metabolismo do câncer.

“Quando os resultados do silenciamento epigenético foram analisados, ficamos satisfeitos em descobrir que as células DIPG com a mutação PPM1D criaram uma vulnerabilidade a uma enzima chave para a qual os inibidores de moléculas pequenas já estavam disponíveis”, disse Sen Peng, Ph.D., bioinformática em Divisão de Biologia Celular e Câncer do TGen, e um dos autores contribuintes do estudo.

Embora o número de pacientes afetados nos EUA seja pequeno – cerca de 300 por ano – o DIPG é reconhecido como uma doença profundamente trágica.

“O potencial impacto translacional de nosso estudo deve levar a testes clínicos e esperança renovada para essas famílias que enfrentam um diagnóstico tão difícil para seu filho”, disse Charles Brenner, Ph.D., presidente de bioquímica da Universidade de Iowa, e especialista em metabolismo de nicotinamida adenina dinucleótido (NAD). O Dr. Brenner também foi um dos autores seniores do estudo.

Bindra disse que este estudo sugere que outros tipos de câncer com mutações no PPM1D, como câncer de mama e ginecológico, podem ser similarmente direcionados.

Texto traduzido do site News Medical

 

Deixe uma resposta