Notícias

Pesquisadores japoneses na semana passada transplantaram células-tronco para o cérebro de um paciente como parte de uma terapia experimental para a doença de Parkinson. A equipe da Universidade de Kyoto utilizou células induzidas por Pluripotent Stem (iPS) para o procedimento. Essas células iPS tem a capacidade de se transformar em qualquer célula do corpo.

Para o estudo, eles encontraram um paciente do sexo masculino com doença de Parkinson na faixa dos cinquenta anos que concordou com esse experimento. Depois da operação em que as células foram injetadas no mês passado, o homem ficou estável. Ele agora será acompanhado por dois anos antes que informações conclusivas sobre a segurança e eficácia do procedimento possam ser verificadas, dizem os pesquisadores. No primeiro turno, a equipe injetou 2,4 milhões de células iPS em seu lado esquerdo do cérebro em uma operação de três horas de duração.

Nos próximos seis meses, ele seria monitorado de perto e, se nenhum dano fosse notado, outras 2,4 milhões de células iPS seriam implantadas no lado direito do cérebro. Essas células iPS vêm de doadores saudáveis ​​e devem se desenvolver em células cerebrais produtoras de dopamina que foram danificadas no próprio cérebro do paciente.

Um total de sete pacientes entre 50 e 69 anos foram incluídos neste estudo. O professor da Universidade de Kyoto, Jun Takahashi, agradeceu aos participantes pelo voluntariado que participaram neste estudo. Este estudo humano segue estudos anteriores bem sucedidos em macacos explicam os pesquisadores.

“Ao cooperarmos com empresas, queremos desenvolver um sistema de produção em massa que nos permita fornecer células nervosas derivadas de células iPS para todo o mundo”, disse Jun Takahashi, professor do Centro de Pesquisa e Aplicação Celular iPS da universidade liderou a equipe de pesquisa, em uma coletiva de imprensa. Ele elaborou o processo da operação de três horas que realizou, “fizemos um buraco na parte frontal do lado esquerdo da cabeça e transplantamos cerca de 2,4 milhões de células, acrescentando que a paciente sorriu aliviada após a operação”.

Se bem sucedido, isso pode revolucionar o tratamento da doença de Parkinson, dizem os especialistas. Esta doença do cérebro e dos nervos afeta cerca de 10 milhões de pessoas em todo o mundo e, atualmente, é incurável com o tratamento disponível para limitar os sintomas por um período de tempo.

Matéria publicada no dia 11 de novembro de 2018.

REFERÊNCIAS:

Texto traduzido do site News-Medical.net

Crédito da imagem: Células-tronco – ilustração 3d. Crédito de imagem: Giovanni Cancemi / Shutterstock

Deixe uma resposta